sábado, 24 de julho de 2010

Links, Atalhos e Moderação


Na época do Windows 3.1, nos anos 90, as pessoas arrastavam seus programas mais uados para a área de trabalho. Os programas não eram gigantescos, mas isso gerava uma cópia duplicada do programa ocupando espaço desnecessário. A solução? Atalhos. Um atalho tem o mesmo comportamento do original, mas não gasta nada de espaço. Bom para todos.
Meu nome é Victor e sou professor de Informática há mais de 20 anos.
Com a chegada dos e-mails, listas de discussão e redes sociais, um dos problemas é o excesso de texto para as respostas individuais em espaços coletivos: uma pessoa pede um texto, alguém responde colando o texto inteiro. Desnecessário dizer que nem sempre todos os membros de uma comunidade precisam estar interessados naquele texto, mas se ninguém ajudar com respostas a quem pede, as comunidades pedem o seu valor. A solução? Atalhos! Colo um link para onde está a sua informação e isso não irá atrapalhar os outros e não deixará quem requisitou ajuda sem uma resposta..
Fiz teatro amador nos anos 80 e adoro teatro.
Quando entrei para as comunidades de Teatro percebi que havia muita gente pedindo ajuda. A primeira coisa que percebi, é que quando uma pessoa pede exercícios e jogos de Teatro, fica complicado postar uma resposta completa, são muitos exercícios. Por outro lado, não consigo ignorar um pedido de ajuda. Então, há alguns anos, para facilitar, criei uma comunidade para que os membros das comunidades de Teatro postassem seus exercícios lá. Não ganhei nada com isso, inclusive achava que devia ter sido iniciativa dos membros de Teatro, afinal, quem sou eu para falar de Teatro se nem o faço (a não ser escrevendo)? Mas a comunidade criada deu certo: cerca de 50 pessoas entraram lá e contribuiram e passou a ser a fonte para perguntas do tipo: “alguém sabe de exercícios para teatro?”. Sempre que alguém de uma comunidade de Teatro solicitasse exercícios, tínhamos um link para os exercícios sem criar respostas gigantescas.
Comecei a escrever textos para teatro em 1987 (sempre - e ainda - como amador, embora as pessoas me ofereçam - e eu recuse - percentagens em bilheteria).
Pois a segunda forma que encontrei para contribuir nas comunidades de teatro foi escrevendo textos... De graça. Primeiro morri de medo que me achassem pretensioso, depois percebi que as pessoas gostavam do que escrevia e passei a escrever um texto para cada pessoa que postava uma requisição. Com o tempo os pedidos foram crescendo (um por semana) e não consegui mais escrever para todo mundo que pedia (terminava um texto a cada 2 meses), mas com cerca de 20 textos, eu podia contribuir mostrando os textos que já tinha criado para membros em anos anteriores. Mas como fazer isso sem enviar um e-mail em particular ou postando um texto inteiro por scrap ou euntupindo a comunidade com um texto completo que só servia para aquele mebro em particular? A solução foi... Atalhos! Ou seja, colocar tudo em uma página e usar links para lá. Aí criei uma página só para Teatro. Sim tenho de pagar para deixar os textos disponíveis lá, mas não deixo de fornecer os textos de graça e assim todos que precisam, inclusive de fora das comunidades, podem se beneficiar. Fazer o bem faz bem... Ou fazia.
Só que o tempo foi passando e as pessoas esqueceram o que eu fiz pelas comunidades. E cada vez que eu postava um link para os exercícios que a própria comunidade havia postado ou para os textos que eu havia criado para os próprios membros da comunidade, algumas pessoas sem conhecimento do passado viam aquilo como “propaganda”. Como pode ser propaganda mostrar material antigo criado pelas próprias pessoas daqui ou para as próprias pessoas daqui? Impossível explicar: para novatos com poder, para eles expulsar é fácil, apagar posts é fácil, ser ofensivos e se sentirem ofendidos com explicações é fácil... Sem espaço para explicações, o moderador é quem decide o que é certo e quem está certo...
Está na hora das comunidades pensarem melhor a quem delegam poderes e em como os moderadores devem ser controlados... Imaginem quantas pessoas não são expulsas sem ouvirmos sua defesa. Moderadores sem algum tipo de controle são como policiais que atiram sem critérios que em momento de descontrole enxergam armas onde havia celulares, ouvem ofensas onde havia perguntas, eles ferem o princípio universal do jugamento justo que diz que TODAS AS PESSOAS TEM DIREITO DE DEFESA antes de serem punidas.
Não sou contra a moderação, mas dar poder a quem não está preparado para usá-lo e, o pior, não criar mecanismos que permitam as pessoas se defenderem antes de serem expulsas. Moderadores que deixam ameaças em scraps, que veem significados onde não há, que criam regras da própria cabeça sem pensar no bem maior da comunidade... É isso que queremos?
Se moderadores fossem moderados (esta frase tem duplo sentido), as coisas poderiam ser melhores...
Esse é um texto filosófico, eu sei que uma comunidade não é uma democracia. Mas, se fosse? A democracia é baseada em 3 poderem em que um controla o outro para que os excessos sejam controlados. Esta na hora das pessoas pensarem nisso: se moderadores são importantes nas comunidades, assim como policiais são importantes na sociedade, o que estamos fazendo para evitar que policiais descontrolados assumam o poder de forma absoluta?
(Este texto está aqui inteiro, mas poderia ter sido postado de forma mais elegante usando-se apenas um link como atalho...)

NÃO ME SIGA NO TWITTER! Não sou famoso, não escrevo nada interessante e não faço RT de notícias importantes @victormsantanna
Meus textos para teatro e stand-up estão em:www.euquefiz.com
Já leu meus textos hoje?
Postar um comentário