domingo, 27 de setembro de 2015

Porque eu amo a Retro-TV

  Muita coisa mudou depois da invenção da Retro-TV e uma das primeiras coisas que fiz foi fazer a assinatura de todos os jogos de Kevi Keegan de 1978, só pra ver se realmente ele era o melhor jogador da Europa naquela temporada. Mas encontro um amigo na rua e ele comenta um movimento que está ganhando força entre os políticos, graças à pressão do público, para barrar o uso da Retro-TV. Fala que devemos fazer como alguns outros países, que já proibiram o uso.
   Acho tudo isso uma bobagem, só porque temos acesso às mortes dos gladiadores ou a possibilidade de assistir os acontecimentos terríveis que foram as guerras mundiais, isso não deixa as pessoas insensíveis à violência, como se tem pregado.
   A outra vertente, os movimentos religiosos que tentam proibir que visualizemos os não encontrados milagres de Jesus, a inexistência de Buda e outros fenômenos religiosos finalmente desmascarado por sua inexistência, não têm a força necessária para proibir o uso deste aparelho que mudou a vida humana como a conhecemos, desde a descoberta de que os raios de luz emitidos no passado podem ser captados e transformados em imagem.
   Verdade que a ausência de som prejudica um pouco as coisas, mas não faltam especialistas em história antiga ajudando na criação das narrações que fazem parte dos pacotes de assinatura.
   Nem mesmo a inconveniente utilização ilegal do aparelho para vasculhar o passado de pessoas ainda vivas é, realmente, algo ruim, apesar da obvia invasão à privacidade que isso possibilita, porque, afinal, nestes últimos 15 ou 20 anos da invenção e dos 7 ou 8 anos que a versão comercial foi lançada permitiu que as pessoas se comportassem de forma mais honesta e passassem a mentir menos, dado que qualquer detetive particular, geralmente com ligações com amigos da polícia ou ex-policiais com versões de aparelhos obtidas de forma ilegal, pode ser contratado por baixo dos panos para utilizar esses aparelhos e encontrar o que você estava escondendo de sua esposa sobre o dia em que você chegou mais tarde do trabalho ou para verificar o real motivo de você ter chegado atrasado a certo dia da semana passado em seu trabalho.
  Sem contar que o aparelho, depois de que foi adotado pelas polícias no mundo todo, praticamente acabou com a criminalidade e a impunidade, dado que obter provas de qualquer crime passou a ser coisa de criança. Quando ficou comprovado que os políticos que queriam proibir o uso do aparelho pela polícia eram os que haviam participado de atividades escusas, toda e qualquer proibição do uso do aparelho pela polícia ficou sendo considerado uma atitude ridícula e passível de desconfiança.
  O que resta, ainda, em vários lugares do mundo, é essa discussão sobre o uso comercial, se o aparelho devia ser proibido, como foi em alguns países do Oriente, ou liberado, como aconteceu na Europa. Estados Unidos, como sempre, metade dos estados proibiu, metade liberou, mas com a exploração comercial, quase todos os estados que haviam proibido o aparelho voltaram atrás. 
   Por fim, só o fato de se poder comprovar que Keegan, o jogador inglês que não foi à Copa do Mundo de Futebol da Fifa de 1978, é muito melhor do que o argentino Maradona, já é por si só, um fato suficiente para que o aparelho jamais tenha o seu uso proibido no Brasil, como aconteceu, é claro, no país vizinho.

(Porque eu amo a Retro-TV - miniconto de ficção científica)
Postar um comentário